Conhecer Petra foi um presente: uma cidade de monumentos esculpidos diretamente nas rochas avermelhadas de um desfiladeiro no meio do deserto. Um cenário diferente de todos os lugares que já conheci. Localizada ao sul de Amã, capital da Jordânia, Petra é hoje a principal atração turística do país.

Não se sabe ao certo quando Petra começou a ser construída, mas viveu seu auge econômico sob o domínio do Império Nabateu, no século I A.C. A cidade era um importante ponto comercial para as rotas de seda, mirra e especiarias entre países como China, Índia e Egito. Após a conquista pelos romanos, Petra continuou a prosperar. Até que um forte terremoto no final do século IV D.C. destruiu a cidade quase que por completo, deixando-a cair no esquecimento. 

Em 1812, Johannes Burckhardt, um explorador suíço disfarçado de árabe, conseguiu ajuda de nabateus nômades que viviam pelo deserto para encontrar a tal “cidade perdida”. Desde então, Petra voltou a atrair a atenção de turistas, historiadores e arqueólogos. Em 1985, as ruínas de Petra tornaram-se Patrimônio da Humanidade pela Unesco e, em 2007, entraram para a lista das 7 maravilhas do mundo moderno.

O passeio por Petra comeca pelo Al Siq, um estreito de mais de 1km por entre paredoes rochosos de 80 metros de altura. (Foto: Nathalia Tavolieri)
O passeio por Petra comeca pelo Al Siq, um estreito de mais de 1km por entre paredoes rochosos de 80 metros de altura. (Foto: Nathalia Tavolieri)

10 dicas para conhecer Petra

1. Faça um bate-volta a partir de Amã

Há quem opte por Israel como ponto de partida, mas prefiro Amã. Além de ser barata e segura, também é uma ótima base para conhecer o Mar Morto.

O Tesouro (Al-Khazneh), o monumento mais famoso de Petra no início do dia. (Foto: Nathalia Tavolieri)
O Tesouro (Al-Khazneh), o monumento mais famoso de Petra, atinge quase 40 metros de altura. (Foto: Nathalia Tavolieri)

2. Vá de ônibus 

A forma mais prática e barata de chegar a Petra é de ônibus. A companhia JETT faz o trajeto diariamente. Passagens de ida e volta custam 20 JOD, o equivalente a 90 reais (um motorista particular / taxi vai te cobrar no mínimo 100 JOD pelo passeio). O ônibus sai às 6h30 da manhã em frente ao escritório da JETT, próximo à estação Abdali. Dá para comprar na hora, mas melhor reservar por telefone um dia antes. O caminho é maravilhoso e dura cerca de 3 horas. O ônibus te deixa no estacionamento pertinho da entrada do parque arqueológico. De lá, pontualmente às 17h, retorna para a Amã.

Vista da janela do ônibus a caminho de Petra. (Foto: Nathalia Tavolieri)
Vista da janela do ônibus a caminho de Petra. (Foto: Nathalia Tavolieri)

3. Passe apenas 1 dia

Um dia é suficiente para conhecer as principais atrações do parque arqueológico, a pé mesmo. Se tiver tempo de sobra, vale pernoitar na cidade e participar do Petra by Night, para caminhar pelas ruínas iluminadas por velas. Esse passeio só acontece em datas determinadas e não está incluso no bilhete normal. Quem ficar mais de um dia também terá tempo para visitar os museus arqueológicos.

Para quem ficar mais de um dia em Petra, o passe para a entrada no parque vale mais a pena. O passe para um dia de passeio custa 50 JOD. Dois dias de passeio custam 55 JOD. Três dias, 60 JOD. A maioria dos viajantes fica apenas um dia.

Vale ressaltar que bate-volta a partir de Israel faz o preço do ingresso subir para 90 JOD.
(Quem tiver comprado passagem pela Turkish Airlines ganha 15% de desconto na entrada do parque.)

(Foto: Nathalia Tavolieri)
(Foto: Nathalia Tavolieri)

4. Expresso canelinha

Quando abri o mapa do parque, ali na bilheteria, levei um susto e pensei jamais conseguir conhecer tudo a pé e a tempo. Os vendedores ambulantes espalhados pelas ruínas sabem que essa é uma primeira impressão bastante comum e vão tentar tirar vantagem disso.

Logo na entrada do parque vai chover gente oferecendo para te levar a cavalo até o início das ruínas. Essa cavalgada está inclusa no ticket. Mas eles vão te cobrar uma gorjeta no final e serão grosseiros se não recebem uma gorjeta bem gorda.

Nesses 5 minutinhos a cavalo (dá tranquilamente para ir a pé), eles vão tentar te convencer que é impossível conhecer tudo andando em apenas um dia e que a melhor opção é alugar um cavalo por mais 50 JOD para te levarem por atalhos diferentões. Não caia nessa furada. É super possível (e gostoso) conhecer tudo a pé num dia só. Para quem tem problemas de locomoção, é possível passear pelas ruínas em um burrinho, mas dá para decidir isso lá dentro, não com esses caras da entrada.

As tumbas reais. (Foto: Nathalia Tavolieri)
As tumbas reais. (Foto: Nathalia Tavolieri)

5. Não desista da trilha “matadora” até o Monastério

O ponto mais distante da entrada do parque arqueológico é o Monastério, o maior monumento preservado de Petra, convertido em monastério por monges durante o Império Bizantino. Uma trilha linda, basicamente feita de subidas de pedras, te leva até lá. A distância total entre o centro de visitantes e o Monastério (Ad Deir) é de 5,5km.

Parece de boa. Talvez por conta do sol quente, a trilha foi bem mais puxada do que eu esperava. Eu, que sou (relativamente) jovem (ai!), cheguei toda ofegante e descabelada lá em cima. Também vi grupos de idosos fazendo a caminhada a pé, numa boa, e algumas pessoas apelando para o burrinho. Não tenho filhos, mas pelo que vi não me pareceu o programa mais indicado para levar crianças pequenas.

Vale dizer que apesar de cansativa, a trilha em si é muito bonita. Demorei uns 40 minutos para chegar ao Monastério. Faça algumas paradas durante a subida para recuperar o fôlego e tirar fotos. A vista para a fachada do Monastério será recompensadora. O barzinho com mesas de frente para o monumento é um bom lugar bom para tomar uma limonada e seguir a trilha para o mirante.

Monastério Ad Deir (Foto: Nathalia Tavolieri)
Monastério Ad Deir (Foto: Nathalia Tavolieri)
Vista do alto do mirante. (Foto: Nathalia Tavolieri)
Vista do alto do mirante. (Foto: Nathalia Tavolieri)

6. Pesquise a história antes de chegar

Eu não gosto muito de passeios guiados, prefiro conhecer lugares no meu ritmo. Se você também for assim, não deixe para começar a conhecer a história da cidade apenas quando chegar lá. Vai perder tempo à toa.

Haja disposição! (Foto: Nathalia Tavolieri)
Subidinha a caminho do Monastério: haja disposição! (Foto: Nathalia Tavolieri)

7. Leve muita água

Se for a Petra entre julho e agosto vai precisar de, no mínimo, uma garrafa de água de 2 litros na mochila. Até dá pra comprar lá dentro, mas os preços, como dá para imaginar, são bem inflacionados.

(Foto: Nathalia Tavolieri)
Ao fundo, o monastério Ad Deir, construído no século II D.C. (Foto: Nathalia Tavolieri)

8. Não vá no verão

Conheci Petra no outono (final de setembro), sob sol forte e uma temperatura batendo nos 30 °C . Como o passeio é basicamente caminhar o dia inteiro entre as ruínas, dificilmente teria sido tão gostoso no alto verão (julho), sob temperaturas ainda mais quentes.

Teatro com capacidade para 3000 lugares. (Foto: Nathalia Tavolieri)
Único teatro do mundo talhado diretamente em rocha. Capacidade para 4.000 pessoas. (Foto: Nathalia Tavolieri)

9. Cuidado com o figurino

Quando estiver em Amã, vai perceber que a maioria das mulheres  muçulmanas adere ao uso do hijab (véu). Mesmo as que optam por deixar a cabeça descoberta usam roupas largas, cobrindo pernas, braços e pescoço – mesmo no verão. Acredito que a regra para nós, estrangeiras, é não destoar.

Como Petra é bem turística você vai ver algumas turistas de shorts e regata, mas eu evitaria. Ainda estamos num país muçulmano. Uma dica é levar uma echarpe e cobrir os braços e colo quando sair do parque arqueológico, para não atrair olhares esquisitos e brincadeiras desrespeitosas de ambulantes locais. Outra coisa: vá de tênis. O chão é basicamente feito de areia e pedras. Chinelo vai te atrapalhar.

Evite shorts e regata, mesmo no verão. (Foto: Nathalia Tavolieri)
Evite shorts e regata, mesmo no verão. (Foto: Nathalia Tavolieri)

10. Não perca tempo no restaurante

Se for passar apenas um dia, pule o restaurante do parque. Leve umas besteirinhas na mochila e aproveite as horas conhecendo as ruínas. Na volta, opte por um restaurante de fora do centro de visitantes, na rua mesmo. São mais baratos e a qualidade é a mesma. O mesmo vale para lembrancinhas.

A fachada do Tesouro também serviu de cenário para o filme “Indiana Jones e a Última cruzada”. (Foto: Nathalia Tavolieri)
A fachada do Tesouro também serviu de cenário para o filme “Indiana Jones e a Última cruzada”. (Foto: Nathalia Tavolieri)

RESERVE SEU HOTEL NO BOOKING.COM

COMPRE SEU CHIP E FIQUE CONECTADO EM SUA VIAGEM

ALUGUEL DE CARRO EM 12X SEM JUROS!

VIAJE TRANQUILO! CONTRATE SEU SEGURO VIAGEM!

COMPRE AQUI SEUS INGRESSOS, EVITE FILAS

VIAJE DE TREM PELA EUROPA, COMPRE AQUI

HOTEIS COM AS MELHORES OFERTAS PARA SUA HOSPEDAGEM

28 COMENTÁRIOS

  1. Petra é realmente um destino que impressiona. Eu visitei esse lugar uns anos atrás e posso atestar que suas dicas realmente são ideais para quem está planejando uma primeira visita à Jordânia. Eu gostei tanto desse lugar que sou capaz de voltar a qualquer momento que aparecer uma oferta boa de passagem aérea. Abração e ótimo post!

    • Oi, Luiz! Muito obrigada pelo comentário, fiquei bem feliz que tenha gostado! Eu também amei Petra, parece coisa de outro mundo! Sorte a nossa 🙂
      Beijos

  2. Um sonho visitar Petra! Que lugar especial! Pretendo visitar em breve e irei levar suas dicas comigo! Essa questão das vestimentas é sempre um problema, passei por isso no Sudeste Asiático e no Marrocos, então já tenho roupas propícias para tal lugar, que bom 🙂

    • Larissa, você vai amar Petra! É muito mais bonita ao vivo do que nas fotos viu…nunca estive no Marrocos, mas posso dizer que na Jordânia as roupas precisam cobrir um pouquinho mais do que as que usamos no Sudeste Asiático. Canela de fora, por exemplo, não é legal. Em Petra é até ok porque é bem turística, mas se proteja mais quando estiver na capital ou perambulando pelo país. Bjo!

  3. Demais, adorei as dicas! Espero mesmo ter a possibilidade de visitar Petra. É um lugar incrível!!! Excelentes dicas. Achei interessante o ingresso pro segundo e terceiro dia ser praticamente o mesmo valor de 1 dia só. Se um dia eu for pra lá tomarei cuidado com os caras do inicio da trilha. Abraço.

    • Itamar, garanto que vale muito a pena conhecer Petra! Eu fiquei um dia apenas, como a maioria dos turistas. Se tiver tempo, acho que vale pernoitar lá (tem vários hotéis) e tentar conhecer Little Petra. Mas fique muito esperto com esses caras do começo da trilha, eles são bem malandros. Bjs e boa viagem!

  4. Acabei de ir a Petra, o que vc e verdade, nao aceite os cavalos da entrada, eles falam que esta incluido, mas vao te estorquir na gorjeta…
    Para quem vem pela fronteira de Israel, NAO PEGUEM OS TAXIS, acertem com o hotel pra te pegar, pois eles sao verdadeiros ladroes, vao querer te enrolar ao massimo, no nosso caso acertamos o valor na hora, pois eles nao queriam seguir a tabela da fronteira e mesmo assim no caminho o infeliz disse que era por pessoa, nao aceitamos e ele parou no caminho e chamou outro taxi, fora a briga de um taxista com outro… Na volta o hotel indicou o Sr. Mohamed, foi outro tratamento, fizemos o retorno pra fronteira e deserto, otima experiencia, segue os contatos: Mohamad Al-hlalat, email mohammedhlalat77@yahoo.com, fala ingles.

    • Andre, muito obrigada por postar suas dicas aqui! Eu fui a partir de Ama, não sabia dessa confusão com os táxis na fronteira, mas confesso que imaginava…Aconteceu algo parecido quando fui pela primeira vez ao Mar Morto. Eu estava sozinha e o motorista dobrou o preço no final. É bom avisar quem está indo para evitar esse tipo de contratempo – que não estraga a viagem, mas dá uma bela dor de cabeça! Bjs

  5. Oi você saberia me ajudar com a dúvida sobre a questão de carimbos no passaporte entre Israel, Egito e Jordânia? Pretendo visitar os três países, mas tenho lido que Israel não aceita entrada de alguém com carimbo da Jordânia ou Egito.

    Na lógica de carimbos no passaporte o ideal seria fazer nessa ordem Israel>Egito>Jordânia?

    Se puder me ajudar. Ficaria muito feliz 🙂
    Luiz

Deixe uma resposta

Deixe sue comentário
Preencha seu nome